Origens da Paróquia de Odivelas

O mais antigo documento conhecido da história de Odivelas é uma inscrição românica encontrada na igreja do Mosteiro de Odivelas, actualmente em exposição no Museu do Carmo, em Lisboa, relatando que “João Ramires, Primeiro Prelado desta igreja, morreu a 13 de Fevereiro de 1183”.

Em 1147, Lisboa foi conquistada pelos Cruzados, com a consequente vinda para Sul de clérigos com o objectivo de manter a posse de terras nas mãos dos cristãos. João Ramires seria um desses Cruzados a quem coube a paróquia de Odivelas.

A Igreja Matriz é considerada um dos templos mais sumptuosos do termo de Lisboa. Este templo muito antigo, foi reconstruído nos finais do séc. XVII e beneficiado durante o séc. XVIII. Ao cimo da dupla escadaria seiscentista, encontra-se um cruzeiro datado de 1626.

No interior deste templo rico e majestoso, a nave é ornamentada com azulejos setecentistas onde figuram cenas bíblicas. Os sete altares, são em talha dourada. A capela-mor, toda revestida de mármore, de diferentes cores, tanto nas paredes como no teto, é caraterística do séc. XVIII.

Decorado com painéis de azulejo do séc. XVIII, alusivos ao batismo, o batistério integra uma pia constituída por uma taça, provavelmente do séc. XVI, e duas pias de água benta, de estilo rocaille, em mármore vermelho. Na sacristia, encontra-se um lavabo de mármore do período renascentista — 1573, com uma nau esculpida. Localiza-se perto do Mosteiro de S. Dinis, no núcleo antigo da cidade de Odivelas.